Bordadeiras que Inspiram #1

Eu gosto de ler, de assistir, de acompanhar, de compartilhar com gente que faz o que eu faço. Gosto de aprender, de contrapôr, de me inspirar ou talvez não concordar, mas conhecer opiniões diferentes. Sem a menor dúvida conhecer o Clube do Bordado foi um grande marco em minha vida bordadeira.

Eu bordo desde pequena, mas aos poucos a vida e o trabalho foram empurrando essa minha paixão para “quando sobrava um tempinho” {e nunca sobra, não é mesmo?}. Como trabalho há bastante tempo com educação corporativa, estou o tempo todo ligada a termos corporativos, que muitas vezes deixam de lado o CPF que está por trás do CNPJ. Eu gosto {gosto não, amo} a ideia da busca por soluções dentro das empresas, dentro dos processos, na busca por produtos melhores, mas certamente isso somente será possível através das pessoas e se fizer sentido para as pessoas. Eu não conseguia encontrar uma conexão entre o meu trabalho e minhas habilidades manuais. Até que em 2015 conheci o trabalho desse Coletivo lindo. Seis jovens {e isso me chamou muito a atenção}, com trabalhos modernos, com visões modernas, com linguagem moderna, usando o bordado livre como forma de expressão e incentivando o empoderamento feminino.

Seis amigas, que se reuniam para bordar, e que encontraram nessa roda de conversas e pontos, sentido e propósito que precisavam compartilhar com o mundo. Gosto da ideia que elas frisam sempre de respeito pela diferença de cada uma, da abordagem de temas atuais através de pontos tradicionais, das possibilidades que o bordado oferece como terapia, da conexão que tantas mulheres tem com o bordado ao redor do mundo.

 

Gosto de como encontram a beleza no dia-a-dia…

Domingo, pão e bordado {sunday, bread and embroidery} #clubedobordado

A post shared by Clube do Bordado (@clubedobordado) on

 

Gosto de como retratam a força com tanta delicadeza…

 

Gosto da simetria dos pontos {mas também da assimetria quando necessário}, gosto de dizerem tanto sem necessariamente precisar falar algo…

*english below* Um doce, um domingo e um bordado 🍩 {one sweet, on a Sunday with embroidery} #clubedobordado

A post shared by Clube do Bordado (@clubedobordado) on

 

Me identifico com o trabalho dessas gurias por inúmeras razões, mas talvez a mais forte delas seja justamente o fato de usarem pontos de bordado como forma de expressão da alma, dos pensamentos, dos sentimentos mais pessoais que brotam em nossa alma, características tão femininas, tão humanas, tão minhas, tão nossas.

Clube do Bordado – InstagramFacebookYouTubeTumblr

Nobre guerreiro, admirável protetor

Entregue mais um enfeite de porta de maternidade. Mais um bebê que está para chegar a esse mundo tão cheio de possibilidades, que será recepcionado por pontinhos lhe desejando muita saúde e felicidade.

Álvaro, que significa: Nobre guerreiro, admirável protetor.

Vejam bem, quem me pediu para fazer essa almofadinha foi a Gabi, minha prima, para dar de presente. Parece que foi ontem que fiz a almofadinha com o nome dela para colocar na porta de seu quarto de bebê <3. O tempo voa mesmo.

Para uma peça tão especial, decidi usar o linho e bordar nesse tecido é sempre um desafio prazeroso. O desafio inicia já no riscar: como os fios que formam o tecido são um pouco mais grossos do que o algodão, por exemplo, um fio acaba ficando mais longe do outro na trama, o que exige que se passe a caneta com mais cuidado para que o desenho fique compreensível.

 

No linho, os pontos se ajeitam melhor pela perpendicularidade da trama mas o tecido exige maior atenção para que os pontinhos sigam um padrão de tamanho, pois fica muito evidente se um ponto ficar muito diferente no meio do trabalho.

 

Para preencher as letras do nome “Álvaro” eu utilizei o ponto haste.

 

A arte foi baseada na solicitação da Gabi, e então bordei a coroa dourada, utilizando o ponto matiz, ponto atrás, ponto pirulito e nó francês.

 

Os ramos tem ponto haste, na haste (: , e ponto lancé nas folhas.

 

Como disse, o linho tem suas exigências. Bordei a frase com o significado do nome com uma letra cursiva, mas, na minha opinião, não ficou legal. Se eu não gosto, prefiro desmanchar e fazer novamente. Regra básica do bordado: DESMANCHAR FAZ PARTE.

Desmanchar: faz parte! 💛💙💜💚 #umpontinho #refazer #podeficarmelhor #bordado #embroidery #fazparte #handmade #wip

A post shared by Um Pontinho (@umpontinhobordados) on

 

Preferi utilizar um gráfico letra com pontos para fios contáveis, explorando a característica do linho para fazer isso. E gostei muito mais do resultado.

 

Acabamentos em bainha aberta {o linho é especial para fazer isso} e a assinatura para registrar esse momento.

 

O bordado foi feito em uma peça em formato de fronha, para facilitar a manutenção e limpeza, dessa forma, para lavar, basta retirar o pequeno laço em fita branca nº 00 que ata as partes frente e verso da capinha. Para pendurar, também fiz com fita nº 00 branca uma pequena alça removível, que, se futuramente o Álvaro ou a mamãe dele optarem em não utilizar mais como enfeite de porta, poderão agregar a decoração do quarto como uma pequena almofada, sem nenhuma característica do uso anterior.

 

Para entregar um presente especial, o carinho e a dedicação se revelam nos detalhes da embalagem.

 

Esse trabalho foi ainda acompanhado pelo desafio do Clube do Bordado, com a tag #100diasdebordado , que propõem que façamos uma sequência de 100 dias através de pontinhos, que possam nos inspirar umas as outras (ou uns ao outros, pq o bordado é democrático).

Se quiser acompanhar meu trabalho pelo Instagram, clique aqui

Se quiser conferir mais fotos desse trabalho no Flickr, clique aqui.

O sorteio, o ajudante e o bordado

Sexta-feira passada, dia 13, realizei o sorteio do pingente bordado, conforme havia prometido no post do Dia de Reis. Toda sexta-feira a tarde eu faço companhia para meu Vô João, que nas idas de seus 90 anos, necessita de companhia em tempo integral e a sexta-feira é o meu compromisso com ele. Por esse motivo, nas sexta-feiras acabo chegando em casa {cerca de 35 Km de distância da casa de meu avô} um pouco tarde, e entre descarregar o carro {carrego sempre muita coisa}, arrumar uma coisa aqui, outra ali, dar banho no João e outros tantos compromissos domésticos que uma mãe/esposa/bordadeira posa ter, paro mesmo depois da meia-noite.

Como havia firmado compromisso com tantas pessoas que curtiram e compartilharam o post, queria sim fazer na data combinada, mas quis fazer algo cheio de sentido e carinho, como toda essa movimentação gerada em função dessa pequena promoção me proporcionou. Eu poderia ter usado ferramentas digitais, sites de sorteio e essas parafernálias todas que estão o tempo todo pipocando na nossa frente quando usamos a internet, mas como foi nosso primeiro sorteio via blog e como {pelo menos por enquanto} foi possível fazer uma lista com os participantes, analisar, pensar, revisar, convoquei meu ajudante, o João Augusto, para fazer parte desse momento singelo. Mais do que isso, quis compartilhar com meu filho a alegria que tenho com meu trabalho, quis vivenciar momentos reais com ele, deixando o virtual como coadjuvante.

Da lista de mais de 75 compartilhamentos, 52 foram válidos, então escrevemos os números manualmente.

O sorteio já vai acontecer… Meu assistente já está finalizando os números!!! 💛 💙 💜 💚 #umpontinho #sorteio

A post shared by Um Pontinho (@umpontinhobordados) on

 

Exercitamos a escrita do João. Seu conhecimento dos números as vezes se embaralha, mas acredito que faça parte do aprendizado.

Perfeitamente imperfeitos!!! 💛 💙 💜 💚 #meumenino #sorteio #daquiapouco

A post shared by Um Pontinho (@umpontinhobordados) on

 

Em determinado momento o ajudante se cansou de escrever…

Os últimos foram com a mamãe, o assistente cansou!!! 💛 💙 💜 💚 #sorteio #umpontinho

A post shared by Um Pontinho (@umpontinhobordados) on

 

Recortar exercita a motricidade e a concentração. E aí eu ganhei uma daquelas frases tão cheias de gostosura que nossos pequenos dizem, que dá vontade de fazer um quadro pra nunca mais esquecer:

Sou o cortador mais bom do universo, mãe!!! 💛 💙 💜 💚 #umpontinho #sorteio

A post shared by Um Pontinho (@umpontinhobordados) on

 

E ele curtiu tanto quanto eu!

E o pingente vai para… 💛💙💚💜#umpontinho #sorteio

A post shared by Um Pontinho (@umpontinhobordados) on

 

E então:

E quem receberá o pingente será a… 💛 #umpontinho #sorteio

A post shared by Um Pontinho (@umpontinhobordados) on

 

E assim, a Nadia Beatriz Vieira, aqui de Caxias do Sul, foi a contemplada com o pingente bordado.

 

Farei a entrega ainda essa semana para a Nadia e como disse a ela ao telefone, desejo que esses pontinhos tragam muita sorte a ela, assim como tem trazido a mim. Certamente se não fosse o bordado não teria a oportunidade de compartilhar sentimentos e pensamentos tão positivos e verdadeiros com tanta gente que se identifica através dessa arte milenar. Certamente também não teria feito um sorteio tão divertido ao lado do assistente mais amado desse mundo. Depois de encerrarmos essa promoção, ficamos “sorteando” coisas até quase 01 hora da manhã. João inventava coisas para sortear, inventava os nomes a serem sorteados, eu escrevia, recortava, colocava no copo, ele tirava o papelzinho e anunciava o ganhador. Até nossos carneiros entraram na brincadeira.

Como diz a linda música Trem Bala, de Ana Vilela:

Não é sobre tudo que o seu dinheiro
É capaz de comprar
E sim sobre cada momento
Sorrindo a se compartilhar

Dia de Reis, é dia de presentear

“Até então, a família gaúcha pastoril, louvava o nascimento de Jesus Menino, com orações, no presépio: cantava Ternos de Reis, saboreava uma especial ceia e assim festejava o Natal na intimidade dos próprios membros da sua Santa-família, com muita alegria, amor e paz, seguindo a tradição de origem açorita, e sem a escravidão obrigatória do presentear. E quanto da satisfação de presentes, correspondia a 6 de janeiro. momento histórico das oferendas dos Reis Magos, e não no dia de Natal, como na comemoração atual.”

Esse é um trecho da publicação Tirando Reses no Natal Pampeano, de J. C. Paixão Côrtes. Livreto esse que tive a honra de contribuir para a edição no ano de 2000, no qual Seu Paixão fala um pouco sobre a tradição pastoril do Rio Grande do Sul na época natalina.

Tirando Reses no Natal Pampeano #umpontinho #diadereis #sorteio

A post shared by Um Pontinho (@umpontinhobordados) on

 

Desde então {confesso}, tenho certa resistência a figura do Papai Noel. Gosto mesmo do sentido do Natal, da possibilidade de reflexão, da reunião familiar, da junção de gente querida.

Encerrando os festejos de nascimento de Jesus, comemoramos em 06 de janeiro, Dia de Reis.

Na vida rural em nosso passado {não exclusividade do Rio Grande do Sul} grupos de pessoas festejavam com música, visitação, comida boa e presentes. Mais do que o dia de desmontar a árvore, Dia de Reis também é dia de reflexão, é dia de festa, de visitar amigos, de presentear.

Comemorando essa data tão cheia de sentido, lembrando que é dia de presentear, vou sortear um pingente com pontinhos.

 

Para participar do sorteio, você deve:

  1. Curtir a página Um Pontinho no Facebook: clique aqui
  2. Compartilhar em modo público esse post no Facebook
  3. Cruzar os dedos e torcer

O sorteio será realizado na próxima sexta-feira, dia 13/01/2017 e divulgado na Página do Facebook. Serão válidos os compartilhamentos até as 12h do dia 13/01.

Me sentindo abençoada, rodeada de gratidão, me despeço, nesse post com versos e oração:

Tinha Deus determinado / A humanidade remir / Libertando-a do pecado / E lhe dando outro porvir

Reclinado no presépio / Cheio de glória e de luz / Fruto da Virgem Maria/ Está o menino Jesus

Agora mesmo cheguemos / A beira de seu terreiro / Viemos para cantar / No dia seis de janeiro

Um novo ano e o que desejo pra ti

 

E hoje inicia 2017. Mais do que fama e fortuna, desejo que você encontre algo que está aí, bem dentro do seu peito, dentro de seus sentimentos, algo que de fato fará com que seu mundo mude, e quem sabe fará com que o mundo de muita gente mude também.

Fama e fortuna passarão a ser consequência, quem sabe até dispensáveis depois de você “achar esse achado”.

Na maior parte do tempo procuramos as respostas para nossas angústias até no Google e esquecemos de procurar na fonte, dentro da gente mesmo.

 

Então te pergunto: o que te move? O que te incomoda? O que te acomoda? Talvez pela respostas a essas três perguntas já comece a desenhar reflexões que te farão encontrar o que, na minha opinião, será o que fará a grande diferença na sua vida. E para te ajudar a nunca deixar de fazer esse exercício, quer saber: BORDE. Bordar é dar-se um tempo, é permitir-se parar. No dia-a-dia estamos tão focados em produtividade, padronização, normatização, automatização, que mal prestamos atenção ao que de fato pensamos e sentimos. Bordar é materializar a atenção. Bordar é registrar no mundo o humano que você é.

Bordar me ajudou a encontrar as respostas a essas perguntas que te fiz e está me ajudando a construir a pessoa que sonho me transformar a partir de quem eu sou. E é justamente isso que desejo para você nesse ano que inicia: TE CONHECE.

Que você saiba dizer ao mundo quem você é, não somente os diplomas que concluiu.

Que tuas conquistas sejam muito mais do que coisas.

Que tuas experiências tenham maior valia do que curtidas em redes sociais.

Que as pessoas que te conhecem lembrem de ti pelo que de fato te move.

Que você esteja sempre rodeado de gente que faz diferença em sua vida.

Que o amor esteja presente em todos os dias de tua vida.

Feliz 2017.